Beautiful girl with curly hairstyle

Qual a relação entre fatores emocionais e a saúde da pele?

Dermatite seborreica, psoríase, vitiligo e acne. Você sabe o que essas doenças têm em comum? Todas podem ser desencadeadas por fatores emocionais, sendo chamadas de psicodermatoses. Neste sentido, o controle do estresse é uma das medidas que contribuem para a preservação da saúde da pele.

Você já havia ouvido falar nessa relação? Sabe o porquê dessa influência? Caso não, recomendamos a leitura deste post. Nele, responderemos a todas as suas dúvidas sobre o tema.

O que são as psicodermatoses?

Por definição, a psicodermatose é uma classificação utilizada para nomear todas as doenças que afetam diretamente a pele em decorrência de fatores psicológicos. Essas patologias são tão comuns que existe uma área da dermatologia específica para o seu diagnóstico e tratamento, chamada de psicodermatologia.

Ainda, a influência das emoções sobre a pele é conhecida desde o século 4º a.C., sendo objeto de estudo do grego Hipócrates, considerado o pai da Medicina. Contudo, apenas a partir dos anos 70 é que essa relação foi esmiuçada e devidamente analisada.

Dessa forma, para que essas patologias sejam controladas, os transtornos emocionais envolvidos também precisam de tratamento. Caso contrário, a saúde da pele continuará sendo impactada. De modo geral, existem três tipos de psicodermatoses:

  • distúrbios psicofisiológicos: quando a doença de pele não é provocada pelos fatores emocionais, mas sim intensificada. Esse é o caso da psoríase, rosácea, vitiligo e dermatite seborreica;
  • distúrbios psiquiátricos primários: envolve todas as patologias cutâneas que são causadas por estados psicológicos, como, por exemplo, ilusões de parasitose, escoriações psicogênicas e tricotilomania;
  • distúrbios psiquiátricos secundários: são os casos em que a doença de pele motiva o transtorno psicológico em função do impacto que causa na aparência do indivíduo. Nesse grupo estão o vitiligo e todas as outras patologias que causam grande prejuízo estético.

Como essa relação entre pele e cérebro é explicada?

A pele e o sistema nervoso central (SNC) possuem a mesma origem embrionária, que é o ectoderma, a parte externa do embrião. Após a terceira semana da gestação, esse tecido dobra-se sobre si mesmo, formando uma camada externa e interna.

Ainda, a camada externa dá origem à pele. Já a parte interna do ectoderma se transforma no sistema nervoso. Neste sentido, ambas as estruturas sofrem os efeitos e recebem os reflexos das variações de humor e dos estados emocionais.

Ademais, acredita-se que a cada três diagnósticos de doenças que afetam a saúde da pele, um tenha origem emocional, sendo o estresse, a depressão e a ansiedade os transtornos psicológicos mais comuns.

Assim, para tratar as psicodermatoses, a abordagem deve ser multidisciplinar, envolvendo o trabalho conjunto entre dermatologistas, psicólogos e psiquiatras. O primeiro passo do tratamento é afastar as causas orgânicas, tais como, problemas circulatórios e sanguíneos ou efeitos colaterais de medicamentos.

Outrossim, quando o aspecto psicológico existe e não é observado, o tratamento dermatológico pode trazer resultados. Porém, eles serão temporários e, provavelmente, o paciente voltará a desenvolver os sintomas da psicodermatose.

Enfim, com a leitura deste post, você entendeu a estreita relação que existe entre os fatores emocionais e as doenças que afetam a saúde da pele. Caso sofra com alguma dessas patologias, converse com seu médico sobre a possibilidade dela ser provocada por um problema emocional.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como dermatologista em São Paulo!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp